20 agosto 2014

/

Sobre Laura, rotina, birras e mudanças

23 comentários:

  1. Dani,
    Um dia, não sei onde, eu li a respeito de nós mães, deixarmos os pais participarem mais da vida dos filhos. Claro que tem casos e casos. O pai não pode, não é presente, etc. Mas quando pode, temos que deixar sozinhos, ter os seus momentos. Porque (e isso ficou gravado na minha cabeça) o pai é mais "leve", deixa a criança sentir fome e pedir comida pra dar, deixa a criança sentir a necessidade. E assim, ela aprende, cresce, conhece seus limites. Algo simples mas que faz toda a diferença.
    E lendo todo teu post, percebo que foi isos mesmo que aconteceu. Laura cresceu, Amadureceu, aprendeu.
    Que linda. Sério, meus olhos estão cheios de lágrimas de ler esse texto. Porque sim, quero ter um segundinho e estou me preparando pra tudo isso. Nina ainda é pequena, mas ela entende. E percebo que quando está com o pai, é outra criança. Não faz birra, brinca tranquila e até sozinha. Comigo é diferente. Ela me suga até o fim. E aí, pensando em todas as tarefas que temos, como você comentou aí em cima, e que é muito desumano, a gente realmente perde mais a paciência, se culpa depois....
    Mas a vida é assim, a gente vai aprendendo. E a Lelê veio na hora certa, pra ajeitar as coisas! Que bom!
    Bjo em vocês!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Bibi, você falou algo muito bacana e que eu nunca tinha parado para pensar, sobre os pais serem mais leves, deixarem as crianças guiarem mais.... Pode fazer toda diferença sim!!!
      Talvez tenha sido isso o que aconteceu, que coisa maluca, né??? Pensar que minha filha cresceu tanto por eu estar mais distante (sem drama, associando uma coisa a outra).
      Sim, elas são muito diferentes conosco e com os pais... nossa, como mudam!

      A gente se acostuma à correria, pode ter certeza! Adaptações são feitas aqui e ali, mas, no geral, sobrevivemos bem!

      Dê sim um irmãozinho (forma genérica) para Nina! Acho ótimo!

      Um grande beijo!!

      Excluir
  2. Coisa mais linda de se ver esse seu amadurecimento como mãe, a construção da Dani-mãe-de-duas. Não tenho a menor dúvida que voce será cada vez uma mãe melhor pra Laura e pra Helena.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Lulu! Errando e aprendendo sempre....
      =)

      Um grande beijo!!!

      Excluir
  3. Lindo, Dani! Honesto, cheio de sentimento e - se nota muito - cheio de uma nova sabedoria que está fazendo muito bem pra vocês!
    Lalá e Lelê são duas meninas de sorte!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabi, obrigada! Não sei se estou mais sábia ou mais rancorosa (cansada, estressada, vivida, no geral), mas estou mais forte, com certeza.

      Um grande beijo!!!

      Excluir
  4. Dani, acho que escrever sobre esses detalhes é uma habilidade preciosa. Hoje em dia eu releio o que escrevi na gravidez e é tao envolvente, tao bom ter isso guardado. Cada uma tem sua história, seu relato, sua missão. Fique bem e seja sempre muito feliz. Beijos. Ps- eu fico impressionada com o rosto da Laura ter a sua forma. Ela tem muito dos seus tracos. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cíntia, muito obrigada!
      Eu gosto de reler os textos que posto, especialmente os mais sensíveis, mais "sofridos".
      Obrigada por todo carinho!!
      (e sim, Laura é muito parecida comigo hohohoho)

      Excluir
  5. coisa mais rica esse amor de irmãos você vai ver!! E a laura é como toda menina da idade dela (inclusive minha letícia) uma princesa que as vezes vira bruxinha...kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grace, eu imagino que o amor entre irmãos seja mesmo muito especial!!
      Eu amo os meus mais do que tudo...
      =)

      Beijo!

      Excluir
  6. Estou com 28 semanas e minha filha de 2a8m tem sentido a chegada da irmã, principalmente quando a barriga começou a despontar de vez. Ficou mais chorosa, exigente, carente. Eu decidi aproveitar cada momento entre nos duas, enquanto ela é filha única, porque tudo vai mudar muiiiiiito.
    Eu gostaria de ter alguém mais presente para me ajudar, mas desde março eu tenho tentado dar conta de tudo. Minha mãe já não me ajuda mais desde que meu pai (89 anos) quebrou o fêmur, em março. Depois da placa sair duas vezes, precisou amputar a perna, em julho. Meses difíceis... Minha mãe era meu braço direito. Era ela quem me ajudava para eu poder trabalhar. Desde então tenho me virado como posso, e, nisso tudo, a gravidez virou mais um evento do cotidiano, porque as coisas, a rotina, os acontecimento não param, né... Meu marido trabalho o dia todo fora, volta à noite, lá pelas 20h, 23h, dependendo do dia, sendo que um dia por semana dorme fora. Então sou eu e minha filha. A deixo na escola, trabalho de manhã, pego estrada, volto para pega-la até meio-dia, dou almoço, espero ela tirar a soneca para continuar trabalhando em casa, dou banho, janta, brinco... nas férias, meu marido me ajudou muito e pude ter um certa tranquilidade para trabalhar. Fico imaginando quando a segundinha chegar. Estou preparando para enlouquecer...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana Paula, tenha o meu abraço!
      Não vai ser fácil, mas tenho certeza que será recompensador, viu????

      Rotina maluca essa nossa, não?!?!!
      Mas nós somos vitoriosas só de termos família, de termos filhos, de podermos amar desta forma...

      Beijo!

      Excluir
  7. Uau Dani! Li sem respirar, do começo ao fim!
    Quanta mudança e quanta transformação.
    Ótimo saber que vocês encontraram um equilíbrio, e que passaram juntos pelas turbulências e saíram mais fortes delas.
    Sempre na torcida por vocês!
    Beijos nas três

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabi, obrigada!!! Obrigada!!!
      Equilíbrio mesmo eu não sei se encontrei (se um dia encontrarei hahahaha), mas sigo tentando.

      Obrigada pelo carinho sempre!

      Um grande beijo!

      Excluir
  8. Dani! Quanto tempo querida.... saudades! Nunca mais conversamos, mas com esse post deu também para imaginar todas as mudanças, os momentos difíceis que viveu nesse início todo. Que bom contar com a ajuda da sua mãe e melhor ainda que seu marido voltou para SP. Tão bom nessa fase termos as pessoas que amamos por perto! Fico feliz que tudo esteja caminhando melhor por aí! Estou na torcida para dar tudo certo e para que a Laura compreenda da melhor maneira possível todas as mudanças. Beijos, muitos beijos para vocês.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Celi, sua lindeza!
      Que saudade!!!

      Obrigada pelo carinho de sempre, queridona. Vc é muito especial!!!

      Um grande beijo!!!

      Excluir
  9. Estou com dor de cabeça e garganta de tanto chorar rsrsrsrsrs
    OOOOO Deus, como é difícil!!!
    E olha que eu estou no alto das minhas 7 semanas... com sono, cansada, irritada e prevendo tudo o que pode ainda acontecer só de ler esse seu post!!!
    Txuca, força e fé!!! Acho que no fundo podemos muito mais do que acreditamos poder!!! Somos fortes!!! E tudo vai dar certo sim!!! Tudo é fase e acho que lá na frente vc vai ler isso para as duas pequenas (talvez quando elas não forem mais tão pequenas assim) e vai rir!!!
    Rir das birras, rir dos choros, rir de tudo!!!
    Sabe como eu estou lidando com as coisas por aqui???
    Penso: Relaxa Morgana, com dois vai ser duas vezes pior...
    rsrsrs
    Então desencano... estou fazendo como vc, o melhor de mim, mas consciente de que o melhor de mim nem sempre vai ser o suficiente e eu vou ter que aceitar isso!!!
    Vou ser a melhor mãe que eu POSSO ser!!! ah, isso sim... mas, aceitando as limitações que virão!!!
    Amore, que bom que as coisas estão entrando nos trilhos... aos poucos acho que a cabecinha delas vai entendendo e aceitando... mas imagine, se para a gente que é adulto (e supostamente madura rsrsrsrs) as vezes dá medo... imagina para as pequenas ne???
    Beijao enorme em todas vcs 3!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Morgana, meu bem, dá cá um abraço.
      A vida de mãe de dois (gestante de primeiro e último trimestre) não é fácil, mas é compensadora, eu tenho certeza.

      Nós podemos MUITO MAIS do que achamos.... e sempre fazemos o nosso melhor, com certeza (em dias pares, pelo menos).

      Boa sorte para nós!!!

      Um grande beijo!

      Excluir
  10. Os filhos sempre nos surpreendem...incrivel a capacidade de compreensão mesmo aos 3 anos de idade! Linda Laura!!! Parabéns pela transformação!!
    Bjinhos!

    ResponderExcluir
  11. Ô delícia vir aqui e ver novas!

    Li seu post duas, três vezes. E, salvas as devidas proporções, me identifiquei com muita coisa (o que sempre acontece qdo leio algum post seu!). Mel, que hoje completa 23 meses, tbm conta com a ajuda do pai no período da manhã. Confesso que isso me incomoda um pouco, pois eu tenho mania de monopolizar tudo. Mas saber que preciso de ajuda (e que a tenho) me traz um conforto. Sem contar que ver a proximidade e cumplicidade dos dois é algo maravilhoso!
    Obrigada por dividir conosco, e me fazer senitr uma mãe "mãe", ainda que surtando e querendo que o bb voltasse pra barriga algumas vezes.
    Agora, quanto à Laura... que encanto! Quanta maturidade num ser tão pequenino! Mérito seu! Parabéns!
    Um beijo.

    Mãe & Mel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida, muito obrigada!!!!

      A gente erra aqui e ali e erra o tempo inteiro, mas algumas vezes nós acertamos, não é???

      Um grande beijo!!

      Excluir
  12. A gente fica mais tranquila e tals na segunda gestação, mas a dinâmica da casa e, principalmente, com o mais velho, muda um pouco, não tem jeito. Que bom vc ter conseguido esses dias sozinha, pra descansar, ficar com vc mesma. E que mocinha a Laura falando pra vc não carregá-la! Que amor! Ela vai ser uma ótima irmã mais velha! :)
    bjão

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para viajar no comentário! =)
Ele será respondido por aqui mesmo, ok?

Beijas!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 


up