14 junho 2013

/

O início do tema castigo

13 comentários:

  1. Dani, sou professora de Cmei, e sei exatamente o que vc esta falando..Minha turma é geralmente na faixa dos 4 a 5 anos e em sala as vezes tenho q rebolar pra dar conta dos anjinhos. Numa sala com 28 alunos (e alguns não tão anjinhos, e com pais não tão interessados no que estão aprontando por lá). Confesso q já coloquei separado algumas vezes e alguns deles sentados separados dos amiguinhos..mas não uso a palavra "castigo", pois essa palavra parece ser muito cruel quando verbalizada, coloco a criança sentada, as vezes separada dos amigos, e digo o porque de ela estar lá.. "Vc vai sentar aqui perto de mim, e deixar de brincar um pouco com seus amigos por conta disso, disso e disso.. (geralmente essa atitude vem depois de muitas conversas, avisos e pedidos para que seu comportamento mude), nunca é a primeira opção. Tbm tenho o habito de relatar tudo aos pais no final do dia, se a criança teve algum comportamento diferente, se brigou com o amiguinho, ou o que quer q seja.. As vezes infelizmente o tal "castigo" de ficar na cadeirinha separado se faz necessário lá, pois temos crianças de todos os tipos e personalidade, e nem sempre com pais preocupados em nos ajudar a resolver a situação. Claro que cada situação é diferente uma da outra..e cada criança pede um jeitinho diferente de ser conduzida. Não eh fácil ser professor hj em dia..Nem sempre acerto, as vezes erro....mas estou sempre tentando acertar!

    bjokas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pri, com certeza cada filho pede uma educação diferente aos pais, tenho certeza disso!! Vc tem irmãos?? Aposto que foi educada diferente do que eles... não é??

      E como professora, vc tem mais é que conter a turminha mesmo, está certíssima!!!!
      =)

      Beijos grandes e parabéns pelos dois meses da pequena!!!

      Excluir
  2. Dani, mais uma vez aqui cabe aquela regra que voce citou no outro post, a de ouvir nosso coração. Poderia ser nada demais, como não era, não era com ela, mas voce ligou e tirou a pulga atrás da orelha. Mateus, como voce sabe, ainda não tá na escolinha, mas com o mais velho passei por uma situação assim. O que eu fiz? Fiquei com vergonha de ligar pra escola e passar atestado de mãe neurótica. CLARO QUE NÃO ! Fiz como voce. Liguei, bati um papo nesse nível de 'escola e família em parceria' e resolvemos tudo. Ele saiu dessa escola apenas quando foi pro 6o. ano, e até hoje quando encontro alguma professora de lá sempre me falam como era boa a nossa parceria, que todas as mães deviam agir assim e tal. Mãe sempre presente, ainda que 'ausente' mais de 8 horas por dia, como é no nosso caso. Beijos !!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lu, querida amiga!!!
      É isso aí, escola tem que estar aberta a conversar com os pais e nós, pais, temos que saber que nem tudo o que acontece é porque a escola fez algo... as crianças são esponjas e um desenho pode tê-la traumatizado....
      Eu, como mãe, liguei na escola na hora, pq é minha obrigação e meu dever (meu coração mandou, eu faço) e está tudo certo, é assim mesmo!!!

      Beijos grandes, querida amiga!!!

      Excluir
  3. É isso mesmo, Dani!
    Que bom que tem essa relação de parceria com a escola, Dani, muito importante! :))

    E ah, que linda essa sensibilidade da sua pequena! De perceber os seus sentimentos, quero dizer. E isso vai fortalecendo o elo entre vocês, acredito - sempre ligadas! Tão bonito de ver...

    Super beijo!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Má, Lalá é sensível no último!!!!
      =)

      Uma lindeza!!!

      Um grande beijo (vou ler o seu texto sobre o coração do baby!!)

      Beijos!!!

      Excluir
  4. Criança é fogo! Mais cedo ou mais tarde a gente acabando descobrindo o porquê de suas ações. E que bom que a sua pulga atrás da orelha não era nada demais. Mas é claro que o que ela viu a impressionou muito, senão, não teria repetido a ação. Só fiquei com a pulga atrás da orelha em relação a um coleguinha que o Daniel sempre comentava negativamente: "fulaninho me empurrou, fulaninho me bateu". E resolvi perguntar do que se tratava...e realmente o fulaninho é uma criança que dá trabalho em sala de aula e causa confusões com os colegas...mas, ainda bem, Dan parou de falar dele e espero que não volte a reclamar novamente. E vc está certíssima! Temos mesmo que estar atentas ao que percebemos de diferente nos nossos filhos. Isso faz toda a diferença!
    Beijos e bom fim de semana!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Myriam, criança é fogueira pura menina! Adrenalina a toda hora! hahahahahaha

      Apesar de trabalharmos e não passarmos o dia do lado dos pequenos, nós temos que estar atentas aos seus sinais, não é?

      Beijos grandes!!

      Excluir
  5. Essa ação da Laura só tem uma explicação... ela viu alguém fazendo e concorda que mais de uma vez? A criança fica atenta e imita a atitude do adulto. Bom, melhor que não tenha sido com ela. Não é mesmo? Ainda bem, caso contrário pegaria o primeiro avião para resolver isso... rs rs rs Onde já se viu fazerem isso com minha pequena linda Laura.
    Agora, muito bem! Fez certo de ligar para querer saber os detalhes. Como elas agem com a Laura e se havia acontecido algo. De qualquer forma, seu questionamento ficou como um alerta a escola. Espero que pensem... repensem nas condutas que tem com as crianças tão pequenas. Beijos querida!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Celi, vc como professora, sabe bem, não é?
      Liguei e ligarei quantas vezes forem necessárias.... sempre!!!

      Um grande beijo para vc, com saudades!!!

      Excluir
  6. Com Emanuela aconteceu o mesmo!! E fiquei mega preocupada, conversei com a professora dela e relatei que ela frequentemente falava o nome de um coleguinha. Descobri que esse era o menino mais levado da sala, e as tias nem sabiam mais o que fazer com ele. Depois de um tempo passou.
    Bjs
    Niélia Santos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aê Niélia, que bom que passou!!! Ufa...
      Nada melhor do que estar em paz com a escola e com nossos filhos, não é????

      Beijos!!!

      Excluir
  7. Com Emanuela aconteceu a mesma coisa. Fiquei super preocupada. Mas conversei com a professora e a diretora e descobri que há um menino (que ela sempre falava o nome) que é o mais levado de todos na sala e as tias não sabem mais o que fazer. Depois de um tempo ela parou.
    Bjs.
    Niélia Santos

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para viajar no comentário! =)
Ele será respondido por aqui mesmo, ok?

Beijas!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 


up