01 junho 2012

/

O ponto final

16 comentários:

  1. Dani acabei de pensar em vc e você publica o texto.. será ligação cósmica???rs
    Que bom que conversaram... E cuidar de criança é pra gente grande mesmo... Não para qualquer um, ainda mais criança dos outros...
    Melhor ela ter falado que descontado na Laura...

    Ainda bem que ela está feliz da vida na escolinha.. Fiquei muito feliz com o desfecho da história..
    E a vida segue em FRENTE!!! :)

    Beijocas
    Carol

    ResponderExcluir
  2. Oi Dani, que perrengue esse da babá, hein! Mas vamos tentar ver pelo lado positivo: pelo menos ela foi honesta e desistiu logo. Imagina se ela começasse a negligenciar cuidados à sua filha? Não adianta ficar em casa com a babá se ela não tem a atenção necessária. Foi bom enquanto durou, mas a vida segue.... e graças a Deus a Laurinha se adaptou bem na escolinha de novo. bjo

    ResponderExcluir
  3. Estive sumida, vou ler os posts anteriores para entender a historia!!
    Bjos!!

    ResponderExcluir
  4. Mandou bem Dani! Fez tudo direitinho e ainda deu um tapinha de luva de pelica no final rs... Mas tá certa, é coisa pra gente grande mesmo. Ela que vá procurar trabalho mais fácil, ou meio período, sei lá, boa sorte pra ela!
    E que ótimo que Laura se readaptou tão bem. Tranquilidade pra vc, bem-estar pra ela, todo mundo feliz!
    bjao

    ResponderExcluir
  5. Dani é isso aí, pra quem faz tudo certinho é mais fácil encerrar e virar certas páginas da nossa vida.
    Perfeito! A vida segue...
    Bjus
    Rafaelando

    ResponderExcluir
  6. Que bom que tudo foi encaminhado para o melhor, acompanhei você nesses dias, e juro fiquei aqui de longe com o coração apertado. Tudo de melhor para vocês ;)

    ResponderExcluir
  7. Realmente, cuidar de crianças- o que inclui adolescentes, como é o meu caso- é pra quem tem "bolas", especialmente as metafóricas...

    ResponderExcluir
  8. Dani, na minha opinião esse "trabalho de gente grande" é trabalho só de mãe. Eu fui aupair, a tal da babá aqui na Irlanda, e jurei para mim mesma depois que saí do emprego que só cuidaria de novo dos MEUS filhos. Fiz tudo sempre direitinho, gostava muitíssimo dos meninos e sempre cuidei com o maior carinho, mas era puxado, era cansativo, era chato e não tinha amor. Eu gostava, não amava. Com meu filho é diferente. Cansa do mesmíssimo jeito (mentira, cansa mais porque além dele tem toda a casa, tem todo o resto para fazer e não tem descanso de final de semana), mas tem o sorriso dele para mim, tem tanto amor, tem um pouco mais de paciência.
    Por conta disso eu acho que se não for a mãe, ou um parente, tem que ser a escola. Agora por exemplo, decidi por o Erik na creche uma vez por semana, mesmo tendo a opção de contratar alguem para cuidar dele em casa. Seria uma economia, mas eu não acho que seja a melhor opção.
    Na escola a Laura vai estar melhor e vai ser bem cuidada.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  9. E entre "mortos e feridos" salvaram-se todos. Muito feliz por estar tudo bem com a Laura e com vcs. Bjks

    ResponderExcluir
  10. NOssa que babado,hein? Mas, nessas horas precisamos respirar fundo de seguir em frente. Gostei do seu blog.
    Beijos!
    http://palomaviricio.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Olha, fala sério, uma das coisas que me tiram do sério e que me fazem chamar algumas pessoas de idiotas sem cerimônia alguma, feito essa idiota da Celina, é a falta de compromisso e responsabilidade com terceiros.
    Fala sério mesmo! Se não dava conta do serviço, se tem o cérebro do tamanho de uma ervilha murcha, como é que se compromete assim? Como é que não pensa que toda uma configuração de vida está mudando por causa de uma decisão dela? Nâo procurasse o serviço. Nâo dá conta, então vai pegar enxada debaixo do sol na poluição de Sampa que eu quero ver se cuidar da Laura é mais difícil.
    Eu acho sinceramente é que tem gente é preguiçosa no mundo. Não gostar de um serviço é opção, mas entrar num serviço supondo gostar pra dizer que não gosta é preguiça sim.
    Tô contigo, fiquei revoltada agora, não estava tanto não. Mas me subiu o sangue pq com a minha última empregada, aquela que largou a casa destrancada e com tudo bagunçado e que ainda ficava ligando pedindo as contas dela, foi exatamente assim.
    Faz bem você de se organizar para não precisar desse tipo de serviço. Você é quem cuidará melhor da Laura, mesmo ela estando no berçário. E cuidará melhor da sua casa também, do seu jeito.
    Eu não faria carta de recomendação. Revoltante.
    Enfim, as crianças crescem, as coisas passam, Laura e vocês terão seus tropeços daqui e dali, choros de exaustão, etc, mas cada passagem dessas é força adquirida e quando perceber Laura já até te ajuda, mesmo pequetita, a colocar a roupinha suja no cesto, a guardar seus brinquedos e nesse movimento a interação de vocês vai ficando mais forte. Nós conseguimos sim. E como eu disse, reveja suas prioridades, tanto profissionais, quanto materiais e emocionais, assim você assume de vez o que te é necessário e alivia parte da culpa eterna que sempre nos acompanhará, com ou sem babá, trabalhando fora ou cuidando de filhos...
    Desabafei, rs.
    p.s. e ainda temos que aguentar opinião de homem anti-capitalista dizendo que empregada doméstica e babá são exploradas pelo sistema. E aí, quem saiu explorada aqui? É mole?
    Bj!

    ResponderExcluir
  12. Dani, ficho feliz que tudo tenha dado certo!! Eu, como vc, também gosto de transparência, de preto no branco e ponto. Como a imagem que colocou. Acredito que para pais que trabalham fora a melhor opção ainda é o berçario, por conta da socialização de das "tais" frustrações que os seres humanos são capazes de descontar nos pequenos.
    Acredito que o desfecho foi muito bom!!
    Um beijo grande, Ju

    ResponderExcluir
  13. Dani fez muito bem. Agiu da melhor forma e o mais importante é que a Laura ficou bem, muito bem na escola. E a vida continua... Não é mesmo? Você tentou, mas infelizmente hoje em dia é difícil demais arrumar alguém, confiar plenamente. Pelo menos foi sincera... ganhou pontos. Beijos

    ResponderExcluir
  14. Ai amiga....que bom que ela se readaptou fácil lá na escolinha......e que bom que a babá não veio com lorotas dessa vez...bjus

    ResponderExcluir
  15. Dani,

    Agora é seguir em frente e continuar sendo feliz. Confesso que ri muito com a parte que você cita a troca do vale refeição pelo alimentação. Isso é coisa de mulher, quer resolver tudo logo e acaba fazendo no impulso.
    O importante é a Laura estar bem, feliz e na vidinha escolar dela.
    Tenha uma ótima semana!
    Bjs
    Chrys

    ResponderExcluir
  16. Ótimo ponto final!
    E ainda bem que ela não voltou com a história da tosse e da poluição, né!
    hahahahahahahah

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para viajar no comentário! =)
Ele será respondido por aqui mesmo, ok?

Beijas!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 


up